terça-feira, 14 de abril de 2015

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Vencedores da Olimpíada de Língua Portuguesa destacam dedicação dos professores

11/12/2012 15:34 - Portal Brasil

Competição premiou 20 estudantes e seus professores nas categorias Poemas, Crônicas, Memórias Literárias e Artigo de Opinião
  

Vencedores da Olimpíada de Língua Portuguesa destacam dedicação dos professores

11/12/2012 15:34 - Portal Brasil

Competição premiou 20 estudantes e seus professores nas categorias Poemas, Crônicas, Memórias Literárias e Artigo de Opinião

Após meses de preparo, entre seletivas municipais, estaduais e oficinas regionais, chegou ao fim a terceira edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, Escrevendo o Futuro. Este ano, mais de três milhões de estudantes do quinto ano do ensino fundamental até o terceiro ano do ensino médio participaram, além de quase 100 mil professores em 40 mil escolas da rede pública brasileira.
A cerimônia de encerramento foi realizada nessa segunda-feira (10), em Brasília. Dos 152 finalistas, nas categorias poema, crônica, artigos de opinião e memórias literárias, 20 levaram a medalha — cinco de cada gênero. O tema deste ano foi O Lugar onde Vivo.

Temas
Cenpec O tema da Olimpíada de Língua Portuguesa deste ano foi O Lugar onde Vivo Ampliar
  • O tema da Olimpíada de Língua Portuguesa deste ano foi O Lugar onde Vivo
Os textos dos premiados envolve uma gama de assuntos, desde temas mais sérios, como preservação ambiental e prostituição, até abordagens com humor. De Douradoquara, Minas Gerais, Roberta Oliveira Morim, 14 anos, optou por contar uma história divertida. Seus pais, sentados na plateia, choraram ao vê-la receber medalha na categoria crônica. A estudante do nono ano escreveu sobre os zurros matinais de um jumento da sua cidade. Após a medalha, Roberta espera servir de exemplo aos colegas de turma. “Eu não imaginava, mas se consegui, eles podem conseguir também”, afirmou.
Patrícia Vieira de Queiroga, 16 anos, também acredita que sua conquista estimulará os demais alunos. Vencedora na categoria artigo de opinião, ela escreveu sobre a preservação de uma chaminé em antiga fábrica na cidade de Pombal, na Paraíba. “Defendi a preservação da memória”, disse a estudante do segundo ano do ensino médio. “Não podemos esquecer nosso passado e precisamos valorizar nossa cultura.”
Com os versos “O sertanejo anseia/ Uma visita em nossa terra, Faz as honras da casa/ E ansioso espera/ São José intercede/ E o povo reza” do poema Ô de Casa?!, o aluno Henrique Douglas, de 12 anos, do município de José da Penha (RN), ganhou um dos prêmios da Olimpíada de Língua Portuguesa. O estudante contou como é ser o filho de um vaqueiro e viver no sertão nordestino.
A professora de Henrique também comemorou a vitória na premiação. Simone Bispo foi finalista nas duas edições anteriores, com medalhas de bronze e prata. Segundo ela, é no resultado positivo da competição que encontra forças para driblar os obstáculos da profissão. “É difícil. Algumas pessoas não acreditam no desempenho das crianças e alguns alunos não querem estudar. É preciso ter muita persistência e compromisso com a leitura e a escrita”, diz Simone.
Jhonatan Oliveira Kempim, de 13 anos, um dos vencedores, na categoria Memórias Literárias, foi inspirado pela comunidade indígena de Espigão do Oeste, em Rondônia, onde mora. Autor do texto O Tempo, O Chiado e As Flechas, o aluno contou como dois índios se assustaram com o chiado da panela de pressão e mataram um garotinho da região, acreditando que se tratava de um invasor.
Para Alan Francisco Gonçalves Souza, professor de Jhonatan e mais 65 alunos, a conquista “deu muito trabalho”. “Chegamos a refazer o material em sala de aula mais de dez vezes. Tivemos vários problemas, o material da Olimpíada não chegava em nossa escola, tivemos que usar o que estava disponível na internet, mas é muito gostoso, ver os alunos animados”, disse Alan, que conquistou o prêmio pela primeira vez.
Ao todo, a Olimpíada reuniu, em Brasília, 152 semifinalistas e teve a participação de quase 3 milhões de alunos do 5º ano do ensino fundamental até o 3º ano do ensino médio de escolas públicas. Todos os semifinalistas receberam tablets.
Alunos e professores vencedores, de 13 estados, receberam medalha, um notebook e uma impressora. As escolas dos participantes também recebem dez computadores cada, um projetor multimídia, um telão para projeção além de livros para a biblioteca. Confira a lista dos vencedores.

Escrevendo o Futuro
A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro desenvolve ações de formação de professores, com o objetivo de contribuir para a melhoria do ensino da leitura e escrita nas escolas públicas brasileiras.
A Olimpíada é uma parceria do Ministério da Educação (MEC) e da Fundação Itaú Social, com coordenação técnica do Cenpec — Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária, a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro tem como parceiros na execução das ações o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e o Canal Futura.

 

OLIMPÍADAS 2012



Seleção de textos
Categoria: Crônica
Número: 264.336
Título: SIMPLES, MAS FELIZ – 1º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho


Recordo com saudades de quando íamos ao sítio a pé, eu e minha avó, não precisávamos de muita coisa para nos divertir, pois até os estalos dos galhos secos debaixo dos pés tornava-se divertido, o cantar dos pássaros, as folhas das árvores molhadas pela garoa da noite, o cantar dos grilos.
Eu não queria perder nenhum momento e com uma câmera registrava tudo. Até mesmo as mais simples paisagens, como os nossos passos na areia, as pequenas flores do mato, as árvores secas.
mas o que eu mais gostava era de quando chegávamos à casa de uma simples família que morava em uma antiga casinha que existia na terra de minha avó. Eles nos recebia com um simples e sincero sorriso no rosto, nos oferecia água, frutas, etc. Eles não tinham riquezas, nem luxo, mas estavam sempre felizes, com suas roupas velhas e suas peles queimadas do sol, seus móveis simples e sua casinha antiga.
isto serve de exemplo porque muitos tem de tudo, mas está sempre a reclamar, enquanto pessoas com tão pouco estão sempre felizes pelo simples fato de ter o que comer e onde morar.

Autor(a): Ana Karina Fernandes Vieira
9º Ano 1 – Vespertino
Professora: Vânia Maria de Queiroz













Seleção de textos
Categoria: Memórias literárias
Número: 277.745
Título: O LUGAR ONDE VIVO  - 1º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho


Eu ainda me lembro daquele lugar onde eu era feliz, me lembro que havia cachoeiras que não se acabavam mais, como as chuvas, mas lembro também que participava de grupos de jovens, era uma das únicas diversões que tinha naquela época.
Mas era uma coisa que não empatava eu e minha família de ser feliz. Eu não ajudava muito em casa, porque isso era obrigação dos filhos mais velhos, eu gostava de correr e ir brincar no matagal.
Minha humilde casa ainda não tinha energia. O sítio que eu morava tinha o nome de Pé do serrote, porque era de baixo de uma serrota muito grande.
Havia lá poucos habitantes e à noite eu e toda minha família fazíamos aquilo que era conhecido como boca de noite, nós não tínhamos coisas modernas, tínhamos apenas potes com água para beber, só que era quente, tínhamos fogão a lenha, moinho e pilão, essas eram as nossas condições, mas nunca nos envergonhamos, porque aquelas eram as condições de todo mundo.
Um de nossos passatempos preferidos era ir para escola e na volta ficar escondido e disfarçando que não estávamos ali, quando íamos passando de frente as árvores para roubar pinhas e maçãs.
A data do mês em que eu e meus irmãos mais esperávamos era o dia do pagamento do aposento da minha avó, que se deslocava para cidade de Patu, e quando voltava sempre trazia coisas que para nós eram verdadeiras inovações, com: Coco catolé etc. E toda família se juntava para fazer festa.
Chegou o dia em que minha família teve que se mudar para outro sítio chamado Garrota Morta e me surpreendi com uma coisa, já havia energia elétrica.
Nesse sítio vivo até hoje, mas sei que nunca vou esquecer dos ótimos felizes momentos que passei no meu antigo lar, nem que a tecnologia alcance seu nível mais auto e que a cada dia haja novidades sempre me lembrarei do meu lar, onde me aconcheguei por vários anos, e se Deus quiser serei feliz para sempre só de me lembrar.

( Baseado na entrevista com a senhora Ivanira da Paz Lima, 37 anos)

Autor(a): Jeyquisson Thauan da Fonseca Lima
7º Ano 1 – Noturno
Professora: Ângela Maria da Silva
Seleção de textos
Categoria: Poema
Número: 260.620
Título: O LUGAR ONDE VIVO  - 1º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho

O LUGAR ONDE VIVO
É CHEIO DE ESPERANÇA
CONFIANDO EM DEUS
CAMPO CHEIO DE BONANÇA
HOJE TUDO FAZ LEMBRAR
O MEU TEMPO DE CRIANÇA

MEU LUGAR TEM ESPERANÇA
MINHA TERRA É BONITA
QUANDO VOCÊ VAI CHEGANDO
NA PLACA ESTÁ ESCRITO
PARECE UM ARCO-IRIS
COM LINDO LAÇO DE FITA

MINHA TERRA É BONITA
VOCÊ PODE ACREDITAR
UMA CIDADE PEQUENA
MAS AMO O MEU LUGAR
TEM ESPORTE, TEM LAZER
PISCINA PRA SE BANHAR

VOCÊ PODE ACOMPANHAR
SE NÃO SOUBER EU ENSINO
QUANDO CHEGA ÀS SEIS HORAS
OUÇO O BADALAR DO SINO
TEM MIRANTE SÃO JOSÉ
TEM PRESÉPIO NATALINO

AGRADEÇO AO DIVINO
QUE É PAI E SALVADOR
AGRADEÇO O SABER
AGRADEÇO AO PROFESSOR
E HOJE GRAÇAS A DEUS
AGRADEÇO ONDE ESTOU

QUEM TEM SENTIMENTO VER
0 VALOR QUE ANTÔNIO MARTINS TEM
VENDO A POPULAÇÃO CRESCER
POR ISSO EU QUERO DIZER
QUE NÃO SOMOS RADICAIS
MAS QUEREMOS MUITO MAIS
PARA QUEM NASCE EM ANTÔNIO MARTINS
QUE ESSA CIDADE MERECIA                                                                                  SER DESTAQUE NOS JORNAIS

ESSA CIDADE É DIFERENTE
ESTÁ GRAVADA NA MENTE
PERTENCE AO ONIPOTENTE
E AOS ANJOS CELESTIAIS
DE QUEM AMA E APRECIA
ANTÔNIO MARTINS MERECIA
SER DESTAQUE NOS JORNAIS

NÃO ESTOU DESRESPEITANDO
AS CIDADES BRASILEIRAS
MAS ANTONIO MARTINS É PIONEIRA
POR ISSO ESTOU INFORMANDO
TEM MUITA GENTE FALANDO
QUE TODOS SOMOS IGUAIS
ESSA CIDADE MERECIA
SER DESTAQUE NOS JORNAIS

UM DIA A CIDADE DE ANTÔNIO MARTINS
VAI TER SEU NOME EM DESTAQUE
COMO SE ELA FOSSE UM CRAQUE
QUE ATINGIU A SUA META
A MÍDIA TODA COMPLETA
COM SEUS PROGRAMAS FORMAIS
E EM LETRAS GARRAFAIS
O SEU NOME ESCREVERIA
ANTÔNIO MARTINS MERECIA
SER DESTAQUE NOS JORNAIS

A MÍDIA NÃO QUER SABER
DA CIDADE DE ANTÔNIO MARTINS
MAS OUTRA CIDADE EU NÃO VEJO
QUE POSSA ME CONVENCER
PODE ATÉ APARECER
MAS PRA MIM SÃO DESIGUAIS
ANTÔNIO MARTINS MERECIA
SER DESTAQUE NOS JORNAIS

Autor(a): Carmelita Dantas
III Nível 2 -  EJA – Noturno
Professor: João Batista de Oliveira


POEMA - 2º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho

O lugar onde vivo
É o lugar de se morar
Onde todos vivem em paz
Sem a ninguém perturbar

Moro na zona rural
Com meu pai e minha mãe
Que são muito legais
Vivemos em harmonia
Sem a ninguém fazer o mal

O lugar onde vivo
É pouca população
O trânsito é pequeno
E não há perturbação

O lugar onde moro
Tem comércio e plantação
Tem povo humilde
Que tem bom coração

Tem igreja, tem mine-posto
Tem colégio escolar
Tem também boa merenda
Pra os alunos merendar

Tem água encanada
Pra no dia-a-dia usar
Lavar roupa e tomar banho
E para a casa limpar

Tenho colegas pra brincar
Assisto televisão
Mas não perco tempo
Na hora de estudar

O ambiente que vive diariamente
É um ambiente pobre
Mas é muito decente
Ambiente de paz
E de povo competente

Autor: Yara Mirley
6º Ano 2 – vespertino
Professora: Matildes




LUGAR ONDE VIVO - 3º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho

Minha cidade tem igreja
Para rezar e orar
Lá onde os noivos podem beijar
Minha cidade é meu lugar

Minha cidade tem piscina
Onde se pode nadar
Mas tem que ter disciplina
Para não se afogar

Minha cidade tem presépio
Lá tem diversão
Atrás tem um colégio
Onde se aprende a lição

Minha escola é meu lar
Onde se pode sonhar
Aqui é meu lugar
Meu futuro vou organizar

A escassez da água
Não nos tira a esperança
De ver crescer a alegria
Na nossa antiga boa esperança.

Autor: Cecília Sthefany
5º Ano 1 – Matutino
Professor: Alcino Barbosa




















MEMÓRIAS LITERÁRIAS – 2º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho


Eu Avanis, vivia em um Sítio, era muito simples, poucas pessoas, poucas casas. Sofri muito. Não tinha energia, era só lamparina, a água tirava em um cacimbão e carregava na cabeça, só andava a pé léguas e léguas... quando a gente adoecia levava em uma rede do sítio até à cidade porque não tinha transporte. Só pegava em um dinheirinho pra comprar roupa ou alguma coisa de ano em ano quando tirava a safra do algodão. Para colher a agricultura tinha que ser nas costas de um animal. Para lavar a roupa tinha que ir para um açude a um quilômetro de distância, passava o dia todo no açude esperando a roupa quarar, enxaguar e secar pra poder ir pra casa com seus filhos, a comida era xerém e feijão e um pouco de farofa de carne de porco. Pra fazer o xerém tinha que pilar o milho em um pilão porque não tinha moinho. Muitas crianças morriam por falta de saúde. Naquele tempo tinha doenças como: catapora, sarampo, muita diarreia por falta de alimentação e por causa da água. Hoje já há vacinas contra todo tipo de doenças e também claro, tratamento para a água. As mulheres quando estavam gestantes não tinha pré-natal, quando tinha a criança era em casa e não em hospital. No meu tempo de criança andava de pés descalço, uma roupa batendo e vestindo, um chinelo comprava e usava só pra sair de casa.

        







CRÔNICA – 2º  Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho

Festas e Tudo Mais
         Em minha cidade, Antônio Martins, costuma-se haver festas em quase todos os meses do ano, mas as festas que mais se destacam é a do mês de junho. A galera adora principalmente os mais jovens, no auge de sua idade, querem curtir varias bandas que sempre vem em nossa cidade, também não se esquecendo das vastas barracas, de uma variedade imensa de utensílios, e claro, de produtos cosméticos.
Eu nunca fui muito de ir nessas festas, mas esse ano estava prometendo, pro isso que decidi ir a algumas. Então veio eu e minha mãe,  em várias lojas de roupas, fazer o que particularmente, todo mundo faz, comprar roupas, para que no dia de festa, poder esbanjar um estilo, estar bonito com certeza, é  essencial. Pena que, nem todos possam fazer a mesma coisa.
Em fim, estava eu, lá, no primeiro dia de festa, que aconteceu no centro de eventos, ou podemos chamar de palco municipal. Fui à festa com dois amigos, era uma bela noite, poucas nuvens, muitas estrelas, pessoas agitadas, indo e vindo, com suas motos, muitos comentando sobre a festa.
Primeiramente, eu estava na praça (que é bem perto do palco), comprei um refrigerante, e fiquei vendo o vai e vem das pessoas, muitas de fora, de cidades perto da nossa, mas grande parte da população antônio-martinense também marcava presença. Percebia que grandes partes das pessoas estavam bem vestidas, os meninos com camisas de marca, corte de cabelos personalizados, tênis com cores bem chamativas e etc. Já as meninas, tudo era mais delicado, colorido, maquiagem não faltava, calça justa, tamancos altos, chapinhas reluzentes, que era iluminada a base das luzes dos refletores. Tudo era bonito, animação não faltava a ninguém, mas faltava o principal: as bandas, que foi a atração, o chamativo de todas essas pessoas, que pareciam mais formiguinhas se movendo de um lado para o outro.
Alguns minutos depois, a primeira banda começou a tocar suas primeiras músicas, então eu meus amigos fomos pra o núcleo da festa onde estava reunido todo mundo, bem encostado ao p0ovo sentimo-nos perdidos no meio daquela multidão... em meio que o tempo foi passando, a festa foi ficando cada vez mais animada, muita gente dançando, outros bebendo, outros namorando. E nós sempre andando de lá para cá, sem nenhuma espécie de rumo, apenas só por andar.
Depois de algumas horas, a multidão começou a sair, as pessoas estavam indo embora, as altas horas já tinham chegado. Mas mesmo assim, a festa continuava alucinante, a banda era muito boa! Animava a galera pra valer.
Em certo momento da festa, já estávamos cansados, então resolvemos voltar para a praça e ficamos sentados por lá um bom tempo.
Já era quase 5 da matina, a banda já estava tocando as últimas músicas, o ritmo da festa já não era o mesmo, pessoas indo embora, todas cansadas de dançar. E assim o dia começou, clareou tudo, o primeiro dia da festa de junho já tinha passado.
Os outros dias de festa foram tão animados quanto esse primeiro, um mar de felicidade que essa cidade tão linda, minha Antônio Martins, pode sempre proporcionar a seus habitantes que por sua vez são muito hospitaleiros e que podem desfrutar de festas e tudo mais.

Autor: Matheus Soares
9º Ano 1 – Vespertino
Professora: Vânia Queiroz







A SURPRESA - 3º Lugar da Escola Municipal José Inácio de Carvalho


Em uma tarde de quarta feira, dia 22 /12/12, comemorou-se o meu aniversário. Eu não queria festa, mesmo estando completando 15 anos. Pensei em não ir à escola, mas ouvi o som da voz de uma mulher, a mesma minha mãe, ela dizia: claro que você vai, porque não?
Naquela tarde na escola, a terceira aula tinha sido vaga, e depois da à aula vaga, um longo intervalo. Voltando a sala avistei meu colega de sala e lhe pedi o caderno para responder um dever de Português, porque não havia respondido e começaria um novo assunto: “Olimpíadas de Português”. Respondendo o dever naquela tarde escaldante, onde o ventilador não mais servia. Avistei minha prima na porta, estanhando comecei novamente a copiar. 
De repente  a vice-diretora chama a professora  de Português, um amigo bate palmas sozinho e eu olho e pergunto, o que foi? Ele só ri. Volto novamente a copiar no caderno, suor pingando, a professora explicando, meus colegas badalando, e de repente: Parabéns para você nesta data querida! Vejo na porta minha mãe com refrigerantes, e minha prima com o bolo me emociono, me acalmo e entro no clima, convido a sala inteira para tirar algumas fotos. É hora de apagar as velas, cortar o bolo e fotografar o momento inesquecível. A primeira fatia de bolo vai para a professora e as outras para os amigos. E aquela tarde que seria igual a tantas outras, foi inesquecível.


Autora: Emanuela Míria
9º ano 1 – Vespertino
Professora: Vânia Queiroz
        
                     

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

ANIVERSARIANTE DO DIA







                                                           Professora Cledilma                                                     

Felicidades para você, por este dia tão especial que é o seu aniversário. 
Parabéns,que possa ter muitos anos de vida, abençoados e felizes, e que estes dias futuros sejam todos de harmonia, paz e desejos realizados. 
Que seu coração, esteja em festa , porque você faz parte de nossa história,de nossa vida do nosso mundo. 
Que seu caminhar seja sempre premiado com a presença de Deus, guiando seus passos e intuindo suas decisões, para que suas conquistas e vitórias, sejam constantes em seus dias.
 Que o natal que se aproxima encha de bênçãos o seu lar, trazendo muita luz para toda família. E o ano novo  seja marcado de muitas realizações e sucesso, pois você merece ser cada dia muito feliz.
 Parabéns por hoje, mas felicidades sempre.




sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Aniversariante do dia


Professora Janine Maia


Que neste dia tão especial O Senhor esteja na sua frente para te mostrar
o caminho certo, ao teu lado para te abraçar e proteger,atrás de ti para 
te salvar de pessoas más, debaixo de ti para te amparar 
quando caíres e tirar - de das armadilhas dentro de ti. 

Para te consolar quando estiveres triste. Que o Senhor esteja ao seu redor 
para te defender quando outros te atacarem e sobre ti abençoando-te sempre. 

Que seus caminhos permaneçam sempre iluminados, para que você possa 
continuar a iluminar também aqueles que têm a oportunidade de 
trilhar com você um trechinho desta longa jornada. 

Muita saúde, paz, felicidade e alegria, tudo de melhor pra você 
neste dia tão especial. 

Feliz Aniversário !! 



terça-feira, 20 de novembro de 2012

Dia Mundial da Criança


Hoje comemoramos o Dia Mundial da Criança, instituído pela ONU por ser a data em que foi aprovada a Declaração dos Direitos da Criança, em 1959.

Você conhece o Estatuto da Criança e do Adolescente? Fique por dentro do ECA nesta matéria: http://abr.io/estatuto

Consciência negra o ano todo

Novembro é o mês da consciência negra, mas relações raciais e o respeito à diversidade devem ser trabalhados o ano todo. Confira como tratar essas questões neste especial com mais de 35 textos. Boa leitura!

Compartilhe
Recursos multimídia – destaques
As reportagens mais acessadas
Planos de aula – destaques
Artigos para refletir
 
Diversidade e relações raciais (3 reportagens | 2 planos)
História e cultura afrobrasileira (22 reportagens | 8 vídeos)
 
Compartilhe
Comentários